LIBERDADE DE EXPRESSÃO.

LIBERDADE DE EXPRESSÃO.
A CULTURA GAY É INTOLERANTE E NÃO CONSEGUE VIVER NA DIVERSIDADE COM RESPEITO

sábado, 2 de abril de 2011

"Se nossas leis permitissem, e se os santos e santas me ajudassem, adoraria encontrar um moleque maior de idade, mas aparentando 15-16 anos..." LUIZ MOTT, 61 anos, professor da UFBA - cidadão de Salvador, do Estado da Bahia, do Estado do Piauí e Comendador da Ordem do Rio Branco, foi membro da Comissão Nacional de Direitos Humanos.

O principal líder gay do país, Luiz Mott, um excêntrico, ávido pelos holofotes, é objeto de denúncia no Ministério Público da Bahia. Em mais uma de suas idéias descartáveis, faz apologia ao sexo com criança. Camisa de força nele! - Foto: Net

O Ministério Público Federal da Bahia recebeu do advogado do Centro Apologético Cristão de Pesquisas CACP Dr. Eliézer de Mello Silveira denúncia de apologia ao crime de pedofilia na internet, propagada pelo líder do movimento gay no Brasil, com o repugnável título: "Pedofilia já! Enquanto estou com tudo em cima." Confira as idéias insanas do Sr. Luiz Mott, que se considera acima do bem e do mal:


"Nos últimos 36 anos de prática homoerótica, calculei que devo ter transado mais ou menos com uns 500 homens diferentes. No meu caso, para dizer a verdade, se pudesse escolher livremente, o que eu queria mesmo não era um "homem" e sim um meninão. Um 'efebo' do tipo daqueles que os nobres da Grécia antiga diziam que era a coisa mais fofa e gostosa para se amar e foder.

Se nossas leis permitissem, e se os santos e santas me ajudassem, adoraria encontrar um moleque maior de idade, mas aparentando 15-16 anos, já com os pentelhos do saco aparecendo, a pica taludinha, não me importava a cor: adoraria se fosse negro como aquele moleque da boca carnuda da novela Terra Nostra; amaria se fosse moreninho miniatura do Xandi; gostaria também se fosse loirinho do tipo Leonardo di Caprio.

Queria mesmo um moleque no frescor da juventude, malhadinho, com a voz esganiçada de adolescente em formação. De preferência inexperiente de sexo, melhor ainda se fosse completamente virgem e que descobrisse nos meus braços o gosto inebriante do erotismo.

Sonho é sonho, e qual é o problema de querer demais? Estudos antropológicos, acerca do comportamento das tribos em Papua (Nova Guiné) e nas ilhas da Melanésia, fornecem dados que evidenciam a atividade homoerótica, com graus de diferenciação, mas pautadas num mesmo princípio: de modo geral, acreditava-se que os meninos não produziam seu esperma naturalmente, daí, surgia a necessidade de inseminá-los aos primeiros sinais de puberdade, num processo de transição da infância para vida adulta.

Ao término da infância, todo menino era separado da mãe e retirado da casa das mulheres para dormir na casa dos homens, cabia ao tio materno a penetração anal, pelo período aproximado de três anos, assim, o esperma seria fornecido à criança, juntamente com suas propriedades de força e coragem necessárias à vida adulta."

Senhores, esta é a realidade do nosso País. Grupos de homossexuais e seus condenáveis simpatizantes tentam agora pressionar a Câmara dos Deputados para que aprove a repugnável lei contra “homofobia”.

Que moral tem esses seres rastejantes para reivindicar direitos, se eles são os primeiros a desrespeitarem a sociedade brasileira com gestos e atitudes grosseiras?

São dois pesos e duas medidas. Que o bom-senso possa falar mais alto e o grotesco projeto engavetado de vez. Para o bem da nação.

Cadeia para os pedófilos!

Fonte: http://www.brasilwiki.com.br/noticia.php?id_noticia=2297

Nenhum comentário:

Postar um comentário